Why you can't compare Covid-19 vaccines

Why you can't compare Covid-19 vaccines

SUBTITLE'S INFO:

Language: Portuguese

Type: Human

Number of phrases: 115

Number of words: 1007

Number of symbols: 5121

DOWNLOAD SUBTITLES:

DOWNLOAD AUDIO AND VIDEO:

SUBTITLES:

Subtitles prepared by human
00:01
Esta é a nova vacina contra Covid-19 de dose única da Johnson & Johnson. No início de março, mais de 6.000 doses deveriam ser enviadas para a cidade de Detroit, Michigan. Mas o prefeito disse: "Não, obrigado." Moderna e Pfizer são as melhores e eu farei tudo o que puder para garantir que os residentes de Detroit recebam a melhor. Ele estava se referindo a esses números: as “taxas de eficácia” das vacinas. As vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna têm taxas altíssimas de eficácia: 95 e 94%. E as vacinas da Johnson & Johnson? Apenas 66%. Se você olhar somente esses números, é natural pensar que essas vacinas são piores do que as outras. Mas essa suposição está errada. Esses números nem sequer são a medida mais importante de quanto essas vacinas são eficazes. Para entender isso, primeiramente é preciso entender o que se espera que as vacinas façam. A taxa de eficácia de uma vacina é calculada em grandes estudos clínicos,
01:10
em que a vacina é testada em dezenas de milhares de pessoas. Essas pessoas são divididas em dois grupos: metade recebe a vacina, e metade recebe um placebo. Em seguida, retomam suas vidas normais enquanto cientistas monitoram se contraem bCovid-19 ao longo de vários meses. No estudo clínico da Pfizer/BioNTech, por exemplo, havia 43.000 participantes. No final do estudo, 170 pessoas foram infectadas com Covid-19. E como essas pessoas se enquadram em cada um desses grupos determina a eficácia de uma vacina. Se as 170 pessoas fossem divididas uniformemente, significaria que elas ficariam doentes tanto com a vacina como sem ela. Sendo assim, sua eficácia seria de 0%. Se todas as 170 estivessem no grupo de placebo, e nenhuma pessoa do grupo vacinado ficasse doente, a vacina teria 100% de eficácia. Neste estudo em particular, havia 162 pessoas no grupo de placebo, e apenas oito no grupo de vacina. Ou seja, os que tomaram a vacina tiveram 95% menos probabilidade de contrair Covid-19.
02:18
A vacina teve 95% de eficácia. Mas isso não significa que se 100 pessoas forem vacinadas, cinco delas ficarão doentes. Em vez disso, esse índice de 95% se aplica ao indivíduo. Portanto, cada pessoa vacinada tem uma probabilidade 95% menor de ficar doente do que uma pessoa não vacinada, cada vez que for exposta à Covid-19. A taxa de eficácia de cada vacina é calculada da mesma forma, mas o ensaio clínico de cada uma pode ser feito em circunstâncias bem diferentes. Uma das coisas mais importantes a se considerar quando analisamos os números, é o momento em que esses ensaios clínicos foram realizados. Este é o número de casos diários de Covid-19 nos EUA desde o início da pandemia. O ensaio da Moderna foi realizado inteiramente nos EUA, no verão. O da Pfizer/BioNTech também foi conduzido principalmente nos EUA, ao mesmo tempo. No entanto, a Johnson & Johnson realizou seu estudo nos EUA neste momento, quando havia mais oportunidades de infecção entre os participantes.
03:29
E a maior parte dos ensaios ocorreu em outros países, principalmente na África do Sul e no Brasil. E nesses outros países, não apenas havia mais casos, mas o vírus em si era diferente. Os ensaios clínicos ocorreram quando as variantes da Covid-19 surgiram, e tornaram-se as infecções dominantes nesses países, variantes com maior probabilidade de adoecer os participantes. Na África do Sul, a maioria dos casos no ensaio da Johnson & Johnson foram da variante, e não da cepa original que estava nos EUA durante o verão. E, apesar disso, as infecções foram significativamente reduzidas. Se você fizer comparações individuais e diretas entre as vacinas, elas tem que ser analisadas no mesmo ensaio, com os mesmos critérios de inclusão, nas mesmas partes do mundo, ao mesmo tempo. Se fôssemos considerar as vacinas da Pfizer e da Moderna, e repetir seus estudos clínicos ao mesmo tempo que vimos no estudo clínico da J&J, a taxa de eficácia talvez fosse bem diferente entre elas. Na verdade, as taxas de eficácia apenas indicam o que aconteceu no ensaio clínico de cada vacina,
04:35
não exatamente o que acontecerá no mundo real. Mas muitos especialistas argumentam que este nem sequer é o melhor índice para julgar uma vacina. Porque evitar todas as infecções nem sempre é o propósito de uma vacina. O objetivo de um programa de vacina contra a Covid-19 não é necessariamente zerar a Covid, mas atenuar esse vírus, enfraquecê-lo, anular sua capacidade de causar complicações, internações e mortes. É válido analisar os diferentes resultados de uma exposição à Covid-19 como esta: O melhor cenário é definitivamente não ficar doente. O pior caso é a morte. No meio, estão a internação, os sintomas graves a moderados, ou não apresentar quaisquer sintomas. Na melhor das circunstâncias absolutas, as vacinas oferecem proteção total a você. Mas realisticamente esse não é o principal objetivo das vacinas contra Covid-19. O objetivo real é dar ao seu corpo proteção suficiente para dar conta dessas possibilidades, assim, caso você seja infectado, parecerá mais um resfriado do que algo que demandará uma internação.
05:42
E isso é algo que cada uma dessas vacinas contra a Covid-19 faz muito bem. Em todos esses ensaios, embora pessoas do grupo de placebo tenham sido internadas, ou até mesmo morrido de Covid-19, nenhuma pessoa totalmente vacinada, em qualquer um desses estudos, foi hospitalizada ou morreu devido à Covid-19. Algo que queria que o prefeito tivesse entendido, é que todas as três vacinas são 100% efetivas em evitar mortes. O prefeito de Detroit voltou atrás, e disse que começaria a tomar doses da Johnson & Johnson, porque ela é ainda "altamente eficaz contra o que mais nos interessa." A eficácia é importante, mas não é o que mais importa. A pergunta não é qual vacina protegerá você contra qualquer infecção por Covid, mas qual delas te manterá vivo, ou fora de um hospital. Qual vacina ajudará a acabar com a pandemia? E a resposta é: qualquer uma. Neste momento, melhor vacina para você é aquela que lhe for oferecida. A cada injeção aplicada em alguém, chegamos mais perto do final desta pandemia.

DOWNLOAD SUBTITLES: